Conheça algumas dicas para comprar no exterior

Ao entrar no País depois de viajar para o exterior, você pode ter uma surpresa. Os preços convidativos, pagos nos equipamentos eletrônicos durante a viagem, podem se multiplicar, caso você não tenha declarado esses bens, e o prejuízo acaba superando em muito as vantagens. O lado bom de tudo isso é que se você fizer tudo certo, trouxer todos os documentos necessários e provar a regularização do seu aparelho, é possível contratar um seguro e garantir muito mais segurança para você.

Então, na hora de comprar eletrônicos no exterior, vale a pena entender o conceito adotado de “uso pessoal”, pois isso não se aplica a computadores, tablets, notebooks, filmadoras e desktops, mesmo que sua intenção seja para uso próprio. E ainda que o eletrônico adquirido esteja abaixo do valor de U$500 da cota, a Receita Federal recomenda declarar sua compra para garantir o documento Prova Regular de Importação, que regulariza a importação do aparelho.

Principais cuidados

Saiba o que fazer para não ser surpreendido ao comprar eletrônicos no exterior

Nota Fiscal

Como muitas lojas ficam com a nota fiscal, peça uma cópia ou a prova de que a importação foi feita regulamente. Além disso, a nota fiscal permitirá a contratação do seguro do seu equipamento: é imprescindível que você apresente esse documento na hora de contratar o seguro.

Documento da Prova de Regular Importação

Não se esqueça de declarar seu computador ou qualquer tipo de eletrônico que você pretende usar nas próximas viagens, para garantir a Prova Regular de Importação – documento que você recebe ao declarar um produto importado e que serve como garantia de que o aparelho é seu e está regularizado (no caso de suas viagens internacionais futuras).

Eletrônicos a declarar

Se a compra de eletrônicos no exterior ultrapassar o valor de U$500, seja para uso pessoal, trabalho ou até mesmo um presente, esta deve ser declarada.

Atenção aos isentos

Smartphones, câmeras fotográficas e livros digitais de uso pessoal não são considerados na cota, mas esses itens não podem passar de um por pessoa. Então, se for comprar algum desses eletrônicos fora é melhor deixar o seu em casa. E vale lembrar que o aparelho deve estar em uso para não precisar ser declarado.

Quantidade

Preste atenção na quantidade, principalmente se for encher a mala de presentes. A sua bagagem podem conter até 20 itens com valor igual ou menor a U$10 e até 20 com o valor maior.

Cota extra

Infelizmente não dá para se animar, a cota extra de U$500 só é válida para Free Shops na chegada ao Brasil e não se aplica ao exterior.

Depois de comprar os eletrônicos no exterior e chegar ao país de origem, é importantíssimo que o viajante guarde a prova de importação regular do produto. Assim, quando viajar novamente estará com os documentos necessários para comprovar o uso pessoal e evitar pagar um excedente de cota se aquele equipamento for avaliado acima de U$500.

Se o consumidor não fizer isso, a Receita Federal pode apreender o equipamento por até 45 dias, se não for regularizada a situação. Então, quando for viajar ao exterior não se esqueça de levar e guardar os documentos necessários para evitar dor de cabeça e ainda fazer um seguro do equipamento.

Aparelho novo?

Comprou um aparelho e quer protegê-lo?

Faça uma cotação »