Prevenção contra o câncer de mama: o que a mulher pode fazer?

O câncer de mama é um tipo de tumor maligno que acontece devido ao crescimento anormal das células da mama. Esse crescimento, que é rápido e desordenado, se torna agressivo ao corpo, invadindo tecidos e causando prejuízos ao organismo.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o tumor maligno nas mamas é o segundo tipo de câncer mais comum no Brasil, atrás apenas do de pele. Estima-se que, somente em 2016, foram registrados aproximadamente 57.960 novos casos no País.

Apesar de ser o câncer que mais mata mulheres no mundo, a cura desse tumor maligno é possível, e quanto mais cedo acontecer o diagnóstico, maiores serão as chances de sucesso no tratamento.

Além da possibilidade de ser tratado, existe também, em alguns casos, a possibilidade de prevenção. Isso porque seu desenvolvimento apresenta alguns fatores de risco relacionados à condição de saúde e ao estilo de vida das pessoas.

Confira algumas atitudes que devem ser tomadas para prevenir o câncer de mama.

Alimente-se de forma saudável

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma das abordagens importantes no controle dos casos de câncer é a modificação dos hábitos alimentares, com a inclusão de dietas ricas em bons nutrientes.

O consumo de alimentos de origem vegetal é indicado, isso porque esses alimentos agem de forma a inibir a ação de compostos cancerígenos e, também, podem interromper o crescimento desordenado das células.

A recomendação é incluir aproximadamente 400 gramas de frutas e vegetais sem amido no seu cardápio diário, sendo que uma boa forma de atingir essa quantidade é com o uso de duas porções de frutas e três de vegetais.

Além das opções de frutas, verduras e legumes, outros alimentos de origem vegetal são benéficos à saúde:

  • oleaginosas, como castanhas, nozes e avelãs;
  • cereais integrais, como arroz, aveia e milho;
  • leguminosas, por exemplo, vagem e feijões;
  • sementes de girassol, abóbora, gergelim e outros.

E as recomendações não param por aí. É preciso diminuir o consumo de alguns itens que estão associados aos mais diversos tipos de câncer:

  • adoçantes artificiais, em especial aqueles à base de aspartame, sacarina sódica e ciclamato de sódio;
  • alimentos altamente processados e industrializados;
  • bebidas açucaradas, como refrigerantes e sucos artificiais;
  • carnes processadas, como salsichas e mortadelas;
  • alimentos com conservantes;
  • sal, açúcar e gorduras;

Mantenha uma boa composição corporal

A obesidade e o excesso de gordura no corpo estão ligados a processos inflamatórios no nosso organismo e podem desencadear a desregulação hormonal, causando danos às células. Por isso, é tão importante manter uma composição corporal equilibrada, ou seja, uma boa quantidade de massa magra e teor de gordura dentro do recomendado.

Aliar uma alimentação saudável, com ingestão calórica de acordo com as necessidades do seu organismo, à prática de atividades físicas é a maneira mais eficiente de evitar o acúmulo excessivo de gordura no corpo. Invista em uma atividade que te dê prazer, como caminhadas, corridas, natação, musculação, etc. O importante é que você consiga praticar com regularidade.

Fique atenta à reposição hormonal

A reposição hormonal é utilizada por muitas mulheres que passam pela transição do período fértil para o não fértil, porque alivia os sintomas dessa fase, como suores excessivos, perda de massa óssea e outros.

Porém, alguns estudos sugerem que, quando essa reposição é feita por mais de 5 anos, o risco de desenvolver câncer de mama aumenta, ficando ainda maior para períodos superiores a 10 anos.

Quando repostos, esses hormônios podem agir de forma proliferativa nas mamas, induzindo a multiplicação das células mamárias. Quanto maior for essa multiplicação, maior a chance de acontecer uma anomalia na divisão celular, gerando, assim, o câncer.

No entanto, isso não quer dizer que todas as mulheres que fazem ou fizeram reposição hormonal terão câncer de mama. O médico é o profissional capaz de avaliar a necessidade dessa medida, assim como a duração e as taxas hormonais necessárias para cada mulher.

Por isso, o ideal é sempre conversar com o profissional da saúde antes de fazer a reposição hormonal.

Evite o consumo excessivo de álcool

O consumo de bebidas alcoólicas pode causar diversos tipos de câncer, incluindo o de mama. Ao chegar ao intestino, o etanol tem a capacidade de facilitar a entrada de substâncias cancerígenas nas células e, além disso, pode funcionar como o agente que induz o crescimento celular desordenado.

O risco de desenvolver algum tipo de câncer por causa da ingestão de álcool é diretamente proporcional ao consumo da substância, ou seja, quanto mais álcool uma pessoa consome e quanto maior for o tempo de consumo, maior será, também, o risco de desenvolver a doença.

Faça exames periódicos

Em alguns casos, o câncer de mama é causado por fatores genéticos, hereditários ou outras questões que fogem ao nosso controle, como a idade em que ocorreu a primeira menstruação, o envelhecimento, etc.  Consultar um oncogeneticista é importante para discutir casos de câncer na família, não só o de mama.

Nessas situações, a prevenção deve ocorrer no sentido de evitar o diagnóstico tardio do câncer. Como dito, quanto antes o tumor for diagnosticado, maiores serão as chances de cura e, também, menos agressivo será o tratamento.

Por essa razão, conhecer bem a própria mama é essencial para que se possa notar qualquer alteração que venha a surgir. Faça o autoexame com frequência e observe se alguns destes sintomas estão presentes:

  • caroços e nódulos indolores;
  • coloração avermelhada da pele;
  • aparência enrugada, semelhante a uma casa de laranja;
  • pequenos nódulos nas áxilas ou pescoço;
  • alterações no bico do peito;
  • saída de líquidos pela mama.

Caso note qualquer uma dessas alterações, procure um médico rapidamente para que ele possa realizar os exames clínicos necessários e verificar se essas manifestações decorrem ou não da presença de um tumor maligno.

Mulheres entre 50 e 69 anos devem realizar a mamografia a cada 2 anos. Fora dessa faixa etária, deve-se fazer o exame de acordo com a recomendação médica, já que a mamografia expõe a paciente a alguns riscos.

Tumores malignos são doenças sérias, mas que podem ser tratadas, curadas e, muitas vezes, evitadas. Por isso, não deixe de cuidar da sua saúde e comece a praticar essas atitudes eficientes na prevenção contra o câncer de mama.

E não se esqueça de que o diagnóstico precoce é a grande arma contra esse mal. Seguros de vida voltados para a saúde da mulher oferecem atendimentos especializados para o diagnóstico da doença em sua fase inicial, direito a uma segunda opinião médica e até mesmo indenização em caso de confirmação da doença para ajudar no tratamento, que é oneroso, pois envolve não apenas consultas, internações e cirurgias, mas contratação de cuidador especializado, aluguel de equipamentos médicos, alimentação especial, remédios e até cosméticos diferenciados.

Quer saber mais sobre isso? Entre em contato com a Porto Seguro e garanta amparo financeiro para você e sua família.

Conhece o Porto Seguro Vida Mais Mulher?

O seguro oferece cobertura exclusiva de indenização pelo diagnóstico de câncer, além de conforto em amparo financeiro para você e sua família.
Faça uma simulação »