Celular clonado: saiba o que fazer e como se proteger!

Celular clonado

A tecnologia que, na maioria das vezes, promove mudanças positivas na vida das pessoas, também é um terreno fértil para a prática dos crimes virtuais. Pessoas mal-intencionadas contam com uma longa lista de condutas que podem reduzir a sua segurança e gerar diversos problemas, como ter o seu celular clonado.

Cybercriminosos são bandidos com um amplo conhecimento sobre recursos tecnológicos, que usam isso de forma inidônea para conseguirem informações sensíveis e, dessa forma, gerar ganhos pessoais a partir delas. Por isso, é importante estar sempre atento e se proteger contra essas ameaças, que podem atingir a todos.

Quer saber mais sobre o tema? Continue a leitura e saiba se o seu celular foi clonado e o que fazer para se proteger contra esses crimes!

Quais são os indícios de celular clonado?

O principal sinal de que o seu celular foi clonado surge quando o uso do seu aparelho passa a apresentar inconsistências, como uma fatura mais alta do que o uso correspondente. Isso pode significar que os dados do seu pacote ou plano estão sendo utilizados por terceiros, portanto, monitore o uso dos seus dados rotineiramente.

A clonagem é a replicação fiel de uma linha legítima, ou seja, é como se houvessem dois aparelhos unidos por um mesmo plano de telefonia, operadora, número de contato e de identificação do fabricante. Assim, uma pessoa com intenções ruins passa a ter acesso a diversas informações pessoais e a utilizá-la para golpes.

Ser procurado por números desconhecidos e ter dificuldades para completar uma chamada estão entre os sinais de que a sua linha foi clonada, merecendo a sua total atenção. Veja abaixo quais são as principais finalidades desse tipo de crime.

Solicitação de dinheiro aos seus familiares

Com uma linha clonada, os criminosos passam a ter acesso a uma série de informações que também estão armazenadas no seu celular, como a sua lista de contatos. Tendo esses dados em mãos, eles sabem o nome de seus familiares e até o grau de parentesco entre você e eles, sabendo tirar proveito disso.

Comumente, são inventadas histórias convincentes nesse tipo de golpe — e ao chamar seus familiares pelo nome, eles ganham credibilidade. Entre os diálogos mais comuns, está o da quebra do carro em um momento no qual você supostamente estaria sem dinheiro. Portanto, para realizar esse conserto, solicitam a transferência de valores para as contas deles.

Tão importante quanto estar ciente desse golpe e da clonagem do seu número, é conscientizar as pessoas do seu círculo familiar e de amigos. Esse tipo de crime pode surgir por diversos lados, portanto, saber como esses criminosos agem poderá ser útil em diversas situações.

Deixe avisado que jamais pedirá dinheiro pelo telefone e, se um dia isso vier a mudar, apresentará evidências incontestáveis de que se trata de você mesmo — ou fará um encontro pessoal, preferencialmente.

Acesso aos seus dados bancários

Outra ação comumente utilizada por esses criminosos é acessar dados de aplicativos e cartão de crédito para realizar transferências e compras para eles mesmos. Nesse caso, a segurança oferecida pelo aplicativo do seu banco pode ser determinante para inibir esse tipo de crime.

Também é importante evitar manter fotos com os dados do seu cartão ou anotá-los em blocos de notas. Da mesma forma, evite enviar esse tipo de informação por meio de aplicativos de mensagem e ligações, como o WhatsApp.

O que deve ser feito caso tenha o celular clonado?

Caso verifique os sinais de fraude, já mencionados neste texto, a primeira ação a ser feita é ligar ou acessar o canal de contato da sua operadora e solicitar o bloqueio da sua linha. Assim, não será possível continuar com o uso dela, o que vale para quem fez a clonagem, que perderá o acesso.

Se fizer isso por meio de chamada telefônica, anote o horário, nome do atendente e o protocolo gerado. Com todos esses dados em mãos, faça um Boletim de Ocorrência, que pode ser feito de forma online, inclusive, e é importante para que as autoridades consigam combater esse tipo de crime.

Além disso, outras ações envolvem: trocar as senhas de aplicativos, redes sociais e e-mail, bloquear o uso de seus cartões de crédito e proteger as contas bancárias, além de avisar seus contatos sobre o ocorrido.

Como evitar que seu celular seja clonado?

Sempre deve ser mencionado que não é pertinente culpar a vítima por cair nesse golpe, mas sempre há meios para reduzir os riscos, ainda que eles não sejam infalíveis.

Veja alguns cuidados que você deve ter para não ter o seu celular clonado!

Não se conecte a wi-fi público

A clonagem exige que o criminoso encontre vulnerabilidades na sua linha, para que possam reproduzir as informações. Se você estiver em um local como um bar, aeroporto ou rodoviária e verificar que há uma rede aberta, pense duas vezes antes de tentar se conectar.

Não é apenas a clonagem que representa um risco nesse tipo de conexão, mas também o uso temporário e roubo de informações do seu dispositivo. Também evite usar seu celular no trabalho, pois, por estar ocupado com outras coisas, pode ser que você faça ações que tornem seu aparelho mais vulnerável.

Não interaja com mensagens ou ligações suspeitas

Recebeu um link com um convite (ação caracterizada como phishing) para participar de um grupo cujo tema é do seu interesse ou uma ligação solicitando informações sobre o seu plano de telefonia? Desconfie! As pessoas que atuam com esse tipo de crime são bem articuladas e persuasivas, por isso, tenha sempre um pé atrás antes interagir com esse contato.

Faça a autenticação de dois fatores

Essa verificação é necessária não apenas para não ter seu celular clonado, mas para evitar que aplicativos sofram eventuais invasões. Muitas pessoas têm contas que são movimentadas pelo navegador do celular, e a maioria das instituições oferece a autenticação em dois fatores.

Confira nos aplicativos de mensagens e de redes sociais como fazer a autenticação de dois fatores e não hesite em adotar esse tipo de verificação. Essa é uma das principais recomendações dos especialistas no assunto, a exemplo de integrantes das polícias, que lidam diariamente com relatos sobre esses crimes.

Esses cuidados devem ser tomados por todos e, caso você conheça alguém que possa ser considerado mais vulnerável quanto a isso, não deixe de conscientizar essas pessoas. Os idosos, por exemplo, são iscas preferenciais para ter o celular clonado, em razão do poder aquisitivo e, muitas vezes, pouco conhecimento sobre o funcionamento de itens tecnológicos.

Essas dicas foram úteis para você? Aproveite e siga nossas redes sociais para continuar acompanhando as novidades — Facebook, Instagram, LinkedIn e YouTube!