10 mitos e verdades sobre previdência privada

A busca por uma aposentadoria tranquila, sem sobressaltos, tem levado cada vez mais pessoas a procurarem planos de previdência privada. Mesmo assim, esse ainda é um tema que gera muitas dúvidas e confusões.

Para ajudar a esclarecer se previdência privada vale a pena, relacionamos a seguir dez mitos e verdades que tratam de forma descomplicada a importância desse investimento para o futuro. Acompanhe!

  1. Previdência privada só serve para quem não contribui com o INSS

Mito. Um plano de previdência privada funciona como um complemento à Previdência Social e pode ser adquirida por qualquer pessoa. Também conhecida como previdência complementar, trata-se de um investimento de longo prazo que tem como objetivo garantir uma renda melhor durante a aposentadoria.

Por meio de depósitos periódicos, cria-se uma aplicação de longa duração. O valor acumulado e os rendimentos obtidos no decorrer do tempo formarão um fundo que será transformado em renda mensal ou poderá ser retirado integralmente.

  1. Os planos são sempre conservadores

Mito. O dinheiro da previdência privada é aplicado em fundos de investimento respeitando a tolerância que o cliente tem ao risco. Se ele for mais conservador, o dinheiro poderá ser aplicado 100% em renda fixa, por exemplo; se ele quiser arriscar mais para aumentar a probabilidade de ganhos maiores, o dinheiro poderá ser aplicado até 70% em renda variável (ações, por exemplo). Um consultor de previdência pode ajudar nessa decisão.

  1. Planos de previdência privada são muito caros e indicados para pessoas de alta renda

Mito. No mercado existem planos para todos os bolsos e com diversos períodos de acumulação. Na realidade, planos de previdência privada são muito flexíveis e são acessíveis a qualquer pessoa.

Além disso, mesmo que a contribuição mensal seja pequena, é sempre possível fazer pagamentos extras quando sobrar um dinheiro. São os chamados aportes, que ajudam a acelerar o acúmulo de reservas para o futuro.

  1. Previdência privada é um investimento exclusivo para a aposentadoria

Mito. É claro que a primeira coisa que vem à cabeça é a aposentadoria. No entanto, a previdência privada pode ser um instrumento para viabilizar projetos de vida no futuro, como montar um negócio, fazer viagens e assim por diante.

É comum, por exemplo, haver planos feitos pelos pais em nome dos filhos — uma previdência infantil — para custear seus estudos no futuro, um intercâmbio ou até mesmo montar um negócio.

  1. Você decide quando começa a receber e de quanto será sua renda no futuro

Verdade. Tanto o valor quanto o prazo para começar a receber ficam a seu critério.

Isso significa ter controle no planejamento de sua aposentadoria (ou de qualquer outro objetivo), o que gera mais tranquilidade e segurança. Além disso, é possível fazer simulações para calcular o valor a ser poupado e o período de tempo indicado para o acúmulo de reservas.

  1. Só é possível ter um plano

Mito. Ao contrário do que muitos pensam, você pode ter mais de um plano de previdência privada. Por exemplo: se você tem um plano PGBL e já atingiu os 12% de dedução, pode ter também um VGBL, pois neste tipo de plano, na hora de um resgate ou do recebimento da renda no futuro, o imposto só vai incidir sobre os rendimentos e não sobre o valor total acumulado (como é no PGBL). Ter os dois é uma boa estratégia para aproveitar o incentivo fiscal do PGBL e ao mesmo tempo as vantagens do VGBL.

  1. Previdência privada só vale a pena quando se começa jovem

Mito. É possível iniciar um plano de previdência privada em qualquer momento da vida. É claro que quanto antes começar maior será o investimento acumulado e melhor será a renda para o futuro. Quem começa mais tarde, pode aplicar valores um pouco maiores ou até fazer aportes extras e fazer uma boa reserva da mesma forma que um jovem.

Além disso, é preciso levar em conta que a expectativa de vida vem aumentando .Assim, independentemente de se ter 20 ou 40 anos, o ideal é começar o quanto antes.

  1. Manter um plano de previdência privada traz benefícios na declaração do imposto de renda

Verdade. Para pessoas que fazem a declaração completa do Imposto de Renda, a modalidade de previdência privada chamada PGBL pode ser bastante vantajosa. Isso porque ela permite que se deduza no imposto o valor investido, até 12% da renda bruta anual.

Nesses casos, o imposto só será cobrado futuramente, em caso de resgate antecipado ou quando o benefício for recebido. Assim, abre-se a possibilidade de investir o que foi poupado ao longo dos anos e, no final, aumentar a reserva futura.

  1. Só existe um tipo de plano

Mito. Como já mencionamos, existem tipos diferentes de planos, como o PGBL e o VGBL. A escolha vai depender do que você realmente deseja em relação ao investimento realizado. Por isso é interessante se informar melhor sobre cada alternativa, a fim de aproveitar o incentivo fiscal.

Além do plano de previdência individual, você ainda pode fazer um plano de previdência infantil ou, até mesmo, um plano de proteção planejada — que inclui seguro e previdência no mesmo plano.

  1. É possível resgatar parte do dinheiro a qualquer hora

Verdade. Essa é uma questão que confunde bastante. Afinal, você pode, sim, resgatar parte ou o total do valor investido quando quiser. Só fique atento: ao resgatar,  será descontado automaticamente o valor de Imposto de Renda.

Portanto, vale a pena pesquisar detalhadamente as regras, além das características do seu plano, e tirar todas as dúvidas, principalmente em relação à solicitação de resgate.

Em resumo, saber se previdência privada vale a pena depende do conhecimento adequado dos mitos e verdades sobre previdência privada vistos até aqui. Os planos são uma forma segura de garantir uma renda melhor no futuro, que proporcionem tranquilidade financeira na aposentadoria.

E você, como cuida do seu dinheiro? Comece agora a construir um futuro tranquilo para você e sua família com a previdência da Porto Seguro. Faça agora uma simulação.