Infidelidade financeira: você sabe o que é isso?

Infidelidade financeira

O casamento é mais que um estado civil: é contrato de confiança entre duas pessoas. A lealdade entre o casal se dá em diversos âmbitos, inclusive nas finanças, e a infidelidade financeira faz parte desse contexto.

Quem divide uma vida também compartilha sonhos, objetivos, bens de consumo e contas a pagar. Ainda que só um dos componentes do casal trabalhe e seja responsável pela maior parte do orçamento, é preciso ter honestidade e cumprir com os combinados.

Para entender melhor esse conceito e como ele se aplica na dinâmica dos casais, dê uma olhada no material que preparamos sobre o assunto.

O que é infidelidade financeira?

Administrar o planejamento financeiro pessoal nem sempre é tarefa fácil. Diferentemente de outros países, no Brasil, o ensino sobre finanças ainda na escola é deficiente. Ao chegar na vida adulta, controlar os gastos pode ser um desafio.

Os obstáculos se potencializam com o casamento, quando os indivíduos precisam conciliar essa tarefa com outra pessoa. Ao mesmo tempo em que fazem planos e traçam objetivos, precisam compartilhar gastos, boletos, luxos e obrigações financeiras.

Quando um ou os dois componentes do casal passam a gastar escondido, ou começam a fazer a sua reserva financeira sem comunicar ao parceiro, acontece o que chamamos de infidelidade financeira. Não é que seja proibido ter a própria poupança, ou fazer compras sem a autorização do parceiro(a).

O que está em questão é quebrar o combinado. Por exemplo, vamos supor que foi acordado entre o casal que as contas são divididas meio a meio e os dois precisam colocar determinada quantia em um investimento para o futuro. Depois, são livres para gastar ou aplicar as verbas pessoas como bem entenderem.

Nesse contexto, a infidelidade financeira ocorre quando um membro deixa de arcar com os boletos ou o investimento para usar o valor em benefício próprio ou omitindo o real motivo.

Quais as características da infidelidade financeira?

Para saber se você está sofrendo ou, até mesmo, praticando a infidelidade financeira, é importante ficar atento às principais situações que acompanham o problema.

Preocupação em excesso

O casal não está passando por nenhuma situação complicada, como a interrupção da renda principal, causada por uma demissão. Mesmo assim, um dos membros ou ambos se mostram preocupados com as contas essenciais além do normal, sem que o outro saiba o motivo. Esse pode ser um sinal de que há um problema relacionado às finanças da casa.

Sumiço de faturas

Se você costumava ter livre acesso a faturas, boletos, extratos e holerites, mas começa a sentir falta desses documentos pela casa, pode ser que alguma coisa esteja sendo omitida.

Excesso de horas extras

Vocês sempre deram conta dos objetivos financeiros. No entanto, de uma hora para outra, o parceiro ou parceira fica fissurado em dinheiro, procura uma renda paralela ou estende a jornada de trabalho.

A necessidade e a pressa de aumentar a renda podem indicar uma dívida ou um investimento individual.

Quais são os riscos da infidelidade financeira?

A desconfiança é um risco para qualquer tipo de relação. Quando a quebra de um acordo envolve recursos financeiros, o problema pode ir além da perda da confiança e trazer dificuldades mais sérias ao orçamento da família.

Contas que deixam de ser pagas ou gastos em excesso interferem em nossas necessidades básicas, como ter acesso à água e energia elétrica ou, até mesmo, abastecer a despensa e a geladeira com comida.

Casais que vivem a sombra da infidelidade financeira podem, na realidade, estar passando por um distúrbio psicológico — em que o parceiro faz compras de maneira compulsiva — ou uma traição conjugal.

Sinais de descontrole financeiro podem ser conversados e tratados em terapia. É importante que a pessoa que esteja passando pelo distúrbio receba apoio. Do contrário, pode omitir ainda mais seus gastos.

Casos relacionados a problemas conjugais merecem ainda mais atenção, pois a pessoa pode pedir a separação. Nem sempre esses processos são justos, aumentando ainda mais a importância de saber identificar e lidar com os riscos da infidelidade financeira.

Como evitar a infidelidade financeira?

Sinceridade, transparência, empatia, compreensão e parceria são ingredientes fundamentais para uma relação bem sucedida. São ainda mais importantes para driblar os casos de infidelidade financeira.

Quando o problema já aconteceu, exige que os parceiros sintam confiança para abrir o jogo e pedir ajuda ou recuperar a confiança perdida. Para aqueles que não foram infiéis, mas precisam lidar com essa pessoa, empatia e compreensão são fundamentais.

Para manter a infidelidade longe do casamento, é possível agir de modo preventivo e evitá-la. Veja algumas sugestões:

  • combinem, em uma eventual necessidade de conseguir renda extra, com quem ficará a responsabilidade e como fica a divisão de contas a partir dessa nova realidade;
  • comecem a estudar sobre o assunto, leiam livros sobre finanças, participem de palestras sobre investimentos juntos;
  • componham uma reserva de emergência;
  • mapeiem as finanças do casal e da família, listem as receitas e despesas, os custos fixos e essenciais;
  • não tenham medo ou vergonha de consultar especialistas, seja em finanças, seja em saúde mental;
  • para que os objetivos sejam realistas, definam as metas em médio, curto e longo prazo;
  • reduzam o padrão de vida, caso seja necessário para tirar as contas do vermelho;
  • se há dividas, é importante ter um plano para quitar esses valores — o que pode envolver o corte de gastos e aumentar os riscos da infidelidade financeira;
  • tenham uma poupança independente e individual em paralelo aos investimentos do casal — o valor não precisa ser aberto, o importante é que os recursos aplicados em conjunto sejam honrados;
  • tracem um limite para a fatura do cartão de crédito e gastos supérfluos, como viagens e delivery de comida.

A felicidade de um casal depende de vários fatores, e a confiança é um deles. Para que não seja quebrada, é necessário estabelecer alguns combinados em todas as áreas da vida.

Ao incluir as finanças nesse processo, considerando metas e objetivos reais, a chance de a infidelidade financeira atingir a vida a dois diminui. A terapia pode ajudar a trazer esse combinado mais próximo à realidade do casal.

Já passou por uma experiência parecida ou ficou com alguma dúvida? Compartilhe conosco nos comentários.