Está apertado e precisa pagar a fatura do cartão? Saiba o que fazer.

O cartão de crédito facilita a vida de quem o utiliza, mas é necessário cautela para manter uma vida financeira organizada e saudável. Entenda melhor como pagar a fatura do cartão:

Cartão de crédito não é renda

O limite do cartão de crédito é determinado por uma combinação de fatores, entre eles podemos citar a sua renda e histórico financeiro no mercado. Entretanto, é importante ressaltar que o limite do cartão de crédito não é uma renda complementar ou extensão de salário. Você tem um valor máximo para gastar, mas você deve entender que tudo o que comprar na função crédito vai chegar na fatura para você pagar posteriormente. A conta do cartão de crédito deve ser considerada no orçamento mensal, semelhante às contas de luz e de telefone. Por isso, para que você tenha controle do pagamento, inclua a fatura na sua planilha de controle de gastos mensal.

É importante escolher uma data de vencimento que seja boa para você — por exemplo, um dia logo após o recebimento do salário. Assim, você terá mais garantia de que terá o dinheiro em conta para realizar o pagamento na data devida.

O pagamento da fatura é essencial

E, quando chega a hora de fazer o pagamento da conta e você está apertado? Não é recomendável que você deixe de pagar a fatura, uma vez que os juros por atrasos são altos. Então, o que fazer? Existem algumas alternativas que devem ser analisadas cuidadosamente. Acompanhe:

Pagamento da parcela mínima ou Crédito Rotativo

Essa modalidade implica entrar no crédito rotativo do cartão. Você paga a parcela mínima e deixa o restante para o próximo mês. Entretanto, ao fazer isso, você pagará juros. Porém, trata-se de uma solução parcial.

Parcelamento da fatura

Se o valor mensal não couber no seu orçamento, uma opção que as operadoras oferecem é parcelar a fatura em quantias que se adequam às suas condições. Você pode escolher entre pagar um valor à vista e dividir o restante da sua parcela mensal ou dividir o total da parcela mensal.

Mas é importante lembrar que nesse caso você pagará nesse parcelamento juros e IOF. Normalmente, as taxas são menores do que os juros do não pagamento da parcela, o que já é uma vantagem para quem está endividado. As parcelas são fixas, por isso os juros embutidos, o que também ajuda a planejar os próximos meses.

O total de parcelas varia de banco para banco. Alguns aceitam parcelamento de até 24 vezes. E, ao pagar as parcelas, o limite do seu cartão de crédito é restituído.

Renegociação da dívida

Caso as opções de parcelamento e pagamento mínimo ainda não atendam às necessidades, o cliente ainda tem a alternativa de renegociar a dívida. Bancos e operadoras tendem a facilitar os termos de renegociação. O ideal é procurar o gerente da conta ou a Central de Relacionamento do seu cartão e expor quais são suas possibilidades. Dessa conversa, sairá uma proposta para quitar a dívida em condições melhores do que arrumar outras dívidas com juros altos.

Na renegociação diretamente com a operadora, o cliente tem que entrar em contato com a central de atendimento ao consumidor e pedir um extrato detalhado sobre seu saldo devedor, que vai identificar as dívidas, encargos e gastos. Assim, o cliente terá condições de propor renegociação da dívida com mais clareza.