Cuidados com a pressão arterial durante o inverno

Estamos iniciando as estações do ano que marcam as quedas graduais da temperatura e com elas aumentam os resfriados, as gripes e também a tendência de alterações circulatórias, como o aumento da pressão arterial. Você sabia que há uma relação direta entre queda de temperatura e aumento da pressão arterial? Isso afeta mais diretamente os indivíduos portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica, a popular: “pressão alta”.

Isto ocorre por um mecanismo natural chamado de homeostasia, ou seja, independente da temperatura ambiente a natureza lança mão de vários mecanismos para manter nossa temperatura corporal constante, próxima a 36,5°C.

Um desses mecanismos é a ativação do sistema simpático, caracterizada pelo aumento dos batimentos cardíacos, vasoconstrição dos vasos e aumento da concentração de açúcar no sangue. Como a nossa pressão arterial é produto da frequência cardíaca com a resistência vascular, quando elas se elevam nos períodos de temperatura mais baixa a pressão arterial acaba subindo, mesmo nos indivíduos que não são hipertensos.

Além deste efeito fisiológico ocasionado pelas temperaturas em declínio, há mudanças de hábitos das pessoas: aumentamos a ingestão de carboidratos e gorduras, e também diminuímos a atividade física, já que o frio inibe as pessoas de ficarem em ambientes abertos como parques e clubes.

Para os indivíduos já diagnosticados como hipertensos e para aqueles não hipertensos ou pré hipertensos, é importante enfatizar que manter a dieta adequada e uma atividade física recorrente é essencial para prevenir as complicações da hipertensão, como infarto, AVC (popular derrame cerebral).

Além disso, os hipertensos devem manter o uso regular de sua medicação além de fazer consultas regulares com seu médico.

Algumas dicas podem te ajudar a evitar a hipertensão e suas complicações:

  • Fazer atividades físicas regulares, mesmo caminhadas de rotina já previnem doenças cardiovasculares;
  • Controlar o peso;
  • Alimentação saudável;
  • Diminuir a ingesta de sódio (sal) nos alimentos;
  • Aos já hipertensos, usar regularmente a medicação prescrita.

Colaborou: Dr. Fernando Eduardo Cordeiro Barreto (CRM 89218), cardiologista na unidade Santana dos Centros Médicos Portomed, em São Paulo.