Médico da família: a especialidade da atenção primária à saúde

Médico da família

Que tal aprender sobre o médico da família e a sua relevância ao cuidar da saúde de um paciente? Muito importante para diminuir o fluxo de pessoas em um hospital, esse profissional é amplamente conhecido em outros países. No Brasil, vai ganhando, aos poucos, merecida notoriedade.

Inclusive, um ponto interessante é que muitas empresas já estão aproveitando essa especialidade para fazer com que os seus funcionários tenham acesso à Atenção Primária à Saúde (APS). Ainda assim, existem muitas pessoas que desconhecem essa prática, seus benefícios e o seu papel no bem-estar geral da população.

Se você faz parte desse time, tudo bem! Para se aprofundar, continue acompanhando o post conosco e entenda tudo sobre o assunto. A leitura é rápida e valerá a pena!

O que é o médico da família?

Para começar, vamos explicar o que é o médico da família. Ainda nos anos 1980, surgiu um livro brasileiro que acabou gerando muito burburinho — o “Medicina não é saúde”, de Jayme Landmann. Na época, apesar de todos os comentários sobre a publicação, a proposta do estudo era acabar com a ideia de que a saúde de qualidade deve se limitar ao diagnóstico de doenças e à indicação de medicamentos para combater o problema.

Ele mostra que é necessário investir em um contato sólido com o paciente, indo desde o incentivo a um lifestyle saudável, até outros cuidados indispensáveis. Basicamente, esse profissional não tem apenas a função de debelar os sintomas das doenças de seus pacientes. A sua proposta é acolher e prestar um atendimento completo ao indivíduo, seja qual for o seu gênero, idade ou condição.

Logo, podemos afirmar que esse tipo de especialista não tem formação em áreas específicas, porém, é alguém capacitado para cuidar da saúde de um modo geral. Para exemplificar, podemos mencionar o trabalho de prevenção contra o câncer de mama e os cuidados especiais para gestantes.

Para que serve a especialidade?

Ainda hoje, muitas pessoas acreditam que o médico é um profissional frio e distante. Contudo, para atuar como médico da família, é imprescindível que o especialista consiga criar vínculos sólidos com seus pacientes.

Não só isso: ele também passa a compreender a atuação de todas as pessoas que estão na vida do doente, com o objetivo de conhecer a fundo o seu histórico de saúde. Nesse processo, o especialista também procura entender quais são os seus sentimentos, a sua situação econômica e, até mesmo, as suas expectativas.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o médico da família vai muito além do que uma especialidade, mas sim, é um trabalho com foco no bem-estar mental, físico e social. Consequentemente, ao ter essa postura, é possível conquistar uma relação mais segura, próxima e sólida com o indivíduo.

Juntas, essas características são essenciais para que um número maior de complicações possa ser resolvido, sem que a pessoa precise recorrer ao hospital ou ao consultório de outros especialistas.

Quais são os benefícios de consultar um médico da família?

Não é por acaso que a atuação do médico da família vem crescendo no Brasil. Ao contar com esse profissional, a pessoa pode aproveitar inúmeros benefícios, garantindo mais confiança e tranquilidade. A seguir, contamos quais são eles.

Múltiplas áreas

Como foi dito, o médico da família é um especialista que consegue enxergar cada quadro de forma panorâmica. Isso faz com que muitos problemas possam ser resolvidos, sem a necessidade de o paciente se dirigir a um pronto-socorro ou precisar realizar exames caros e que, em muitos casos, são desnecessários.

Menos tempo e dinheiro

Ao investir em um acompanhamento com o médico da família, é possível não somente prolongar a sua vida com qualidade, como também garantir uma boa economia financeira. Isso porque você não precisará se preocupar com gastos relacionados a exames e demais procedimentos que costumam ser solicitados pelos demais especialistas.

Inclusive, essa economia acontece, principalmente, quando a pessoa não tem um plano de saúde completo, precisando arcar com diversas despesas extras que surgem ao longo do caminho e não são cobertas pelo convênio médico.

Foco na prevenção

O trabalho do médico de família tem como foco a prevenção de complicações de saúde — e não de uma doença específica. Ao contrário de outros profissionais, que solucionam problemas sem uma análise integral, ele procura conhecer a fundo o paciente, assim como o seu estilo de vida, costumes e histórico familiar.

Com essas estratégias, é possível sugerir uma série de hábitos saudáveis, controlando condições crônicas e prestando um atendimento contínuo e de excelência. Em linhas gerais, há uma série de benefícios que podem ser aproveitados ao investir em uma consulta com o médico da família. Veja os principais:

  • possibilidade de prevenir uma série de doenças;
  • diminuição nos riscos de autodiagnóstico e automedicação; 
  • queda na necessidade de realizar exames complexos, internações desnecessárias ou consultas com outros especialistas;
  • relacionamento entre médico e paciente mais seguro e confiante.

Qual o papel do médico da família na Atenção à Saúde Primária?

Segundo o Ministério da Saúde, a Atenção Primária à Saúde (APS) é a primeira categoria de cuidado caracterizada por uma união de ações voltadas à saúde — seja individual, seja coletivamente. Inclusive, essa estratégia é adotada, até mesmo, dentro do próprio Sistema Único de Saúde (SUS), em que foi possível notar que o cuidado e as ações integrais conseguem resolver, pelo menos, 80% das complicações da população.

O objetivo é promover a proteção, a prevenção, o diagnóstico, o tratamento e, claro, a reabilitação, a fim de diminuir ao máximo qualquer tipo de dano e conquistar resultados positivos. Para que esse processo seja realizado com eficiência, o papel do médico da família é essencial.

Para se ter uma ideia, vamos contextualizar. Imagine, por exemplo, um paciente que se queixa de dificuldades para dormir e falta de ar. Porém, mesmo após passar por diferentes especialistas, constatou que os seus exames estão todos dentro da normalidade.

Ao se consultar com um profissional da família, o especialista busca entender o seu histórico e cenário atual, a fim de identificar as possíveis razões dos seus sintomas, como o uso de cigarro ou situações estressantes. Assim, é possível verificar se o paciente está passando por momentos difíceis em sua vida pessoal, como uma demissão, uma separação ou outra condição extrema.

Nessas condições, em vez de recomendar medicamentos para complicações respiratórias, o especialista começa a tratar a ansiedade, oferecendo um atestado de ausência de trabalho e medidas práticas que possam minimizar os danos em sua vida pessoal. Bem interessante!

Viu só? Agora que você já sabe o que é o médico da família e a sua importância, não há mais desculpas para deixar de se consultar com esse profissional. Caso queira continuar se aprofundando no assunto, aproveite para ler o nosso artigo sobre o estresse e o seu efeito na saúde bucal. Até mais!